Menu

Biomagnetismo - O que é Influenza, como evitar o contágio e quais são seus sintomas?



Vírus da Influenza A subtipo H9N2

Existem três tipos de vírus Influenza: A, B e C. O tipo A é subdividido em subtipos com base nas suas diferenças antigênicas em glicoproteínas de superfície: hemaglutinina (HA) e neuraminidase (NA). Atualmente, conhecem-se 16 subtipos de hemaglutinina (H1 a H16) e 9 subtipos de neuraminidase (N1 a N9) que infectam aves. Um novo subtipo (H17) e uma nova neuraminidase (N10) foram encontrados em morcegos.

Dos 16 subtipos de hemaglutinina que podem ser encontrados em aves, três deles (H5, H7 e H9) provocam casos de infecções humanas.
O subtipo H5N1, de alta patogenicidade, quando infectou humanos, causou uma doença aguda com alta mortalidade (> 60%).
O subtipo H7, de baixa patogenicidade, na maioria dos casos, causa apenas sintomas clínicos de conjuntivite.
O subtipo H9 (principalmente H9N2), também de baixa patogenicidade afeta aves de curral e aves selvagens, e está adaptado preferencialmente a galinhas e codornas, foram encontrados na Ásia, América do Norte, Europa, África e Pacífico. Este subtipo causa sinais leves nas aves, mas suas infecções podem ser complicadas secundariamente com infecções bacterianas.
Quando infectou humanos, causou um quadro gripal.
O subtipo H9 que circula na China, tem-se preocupado desde a década de 1990 por ter-se detectado, produzindo algumas infecções humanas, em alguns casos, adaptada para interagir com os receptores nas células humanas, as quais poderiam provocar uma pandemia humana após sua adaptação.

Este subtipo H9, ao contrário do que aconteceu com o subtipo H5 de alta patogenicidade, causou apenas infecções leves, sem evidências consistentes de transmissão inter-humana.

O subtipo H9, tinha muitas recombinações, de modo que geraram 98 genótipos diferentes, que seriam agrupados em série 9 (A a G), e teria resultado em até 74 diferentes linhagens com acentuadas diferenças como as espécies hospedeiras e áreas geográficas. Os genes que codificam proteínas externas estão intimamente relacionados com H3, H4, H5m, H7, H10 e H14.

Não é raro que o hospedeiro natural (aves de curral como galinhas e codornas), possam encontrar-se infectadas pelos subtipos H9 e H5, o que implicaria o risco de que o subtipo H9, de baixa patogenicidade, poderia adquirir genes do subtipo H5 da alta patogenicidade.

Biomagnetismo - Por que o Biomagnetismo funciona?




Sabemos que o corpo contém magnetita. A magnetita cristaliza na forma de um tetraedro, polariza seu estado quando oxidada ou reduzida e gera diferenças de potenciais que produzem um campo magnético através do qual a corrente elétrica flui. Sustentamos que existem campos magnéticos equilibrados no corpo humano e podemos entender porque existe uma corrente de energia em nosso corpo. Quando há uma doença, a rede de energia magnética se decompõe e a descompensação ocorre nesses campos magnéticos. Obviamente, há uma mudança no composto eletrolítico que gera uma variação na direção do campo magnético, produzindo uma polarização positiva ou negativa do órgão ou órgãos onde ocorre a anomalia biológica e, portanto, uma mudança no pH.

A doença ocorre quando estas magnetitas desorientam-se, então agora nós entendemos que ao aplicar ímãs no organismo, podemos retornar a magnetita ao seu estado original e fazer com que volte a existir novamente a ordem magnética, o ferromagnetismo. Ao submeter o material magnético, como qualquer outra partícula ferroso-férrico, a um campo magnético, os cristais (domínios) se alinham, dando origem a um monodomínio. Ao eliminar o campo, o domínio permanece em seu estado natural e, portanto, a energia no organismo é equilibrada. A rede férrico-ferroso recupera sua polaridade e as doenças desaparecem, além dos micro-organismos existentes no corpo serem eliminados ao gerar um campo magnético em meio aquoso onde morrem. A energia flui em nosso organismo na forma de água. A água que existe em nosso interior não é água simples, mas cristal líquido formado por moléculas de alta energia que organizam a água para que ela possa conduzir a energia eletromagnética. As moléculas são organizadas, transmitem comprimentos de onda e também têm a capacidade de armazenar dados na memória. É assim que o cérebro emite impulsos eletromagnéticos transportados através desse maravilhoso condutor de energia para completar a instrução (ordem) emitida. Essa água, cristal líquido (H2O)37, ajuda a estabelecer o equilíbrio obtido pela aplicação de ímãs no corpo, causando ressonância no restante do organismo e organizando a rede ferroso-férrico onde for necessário.

O Par Biomagnético descoberto em 1989 pelo Dr. Isaac Goiz Durán é uma realidade, apoiado pelas descobertas de sérios cientistas, como a Dra. Esther del Rio Serrano, que estabeleceu microscopicamente a ligação entre a ciência e o Biomagnetismo. A Dra. Esther del Rio confirmou cientificamente a eficácia desse novo tratamento. Essa terapia expõe que as doenças do homem e da mulher são produto de alterações que ocorrem no pH do organismo. Essas alterações permitem que patógenos que geram disfunções sejam instalados no organismo. Ao nivelar a acidez ou a alcalinidade desses pontos específicos, é possível erradicar os patógenos que geram as disfunções, o equilíbrio do corpo é restaurado e a saúde é recuperada.

Biomagnetismo - Atendimentos à distância



O ideal de um tratamento de Biomagnetismo, é o rastreio e a aplicação dos ímãs presencialmente, mas sabemos que nem sempre isso é possível, pelo tempo, pela distância, etc.
Para estes casos a Bioenergética (no caso a Telebioenergética), nos ajuda muito.
Acoplamos a energia da pessoa a ser atendida, em uma "antena" (uma pessoa que servirá literalmente como uma antena, para efetuar o rastreio), e com esta energia aplicada, podemos fazer o rastreio e o tratamento, à distância. Com resultados muito próximos, ou iguais ao presencial.

Precisamos sempre de no mínimo 2 atendimentos, o primeiro para verificar e tratar os pontos que estão bioenergéticamente fora no Nível Energético Normal. Já o segundo, para verificar se estes pontos já não existem mais, e se estavam ocultando outros pontos.

Inclusive, através da Telebioenergética, podemos efetuar também o tratamento do seu pet (cães, gatos, etc.). Para estes casos, precisamos usar como "antena", o proprietário do pet ou a pessoa mais próxima, como por exemplo, o tratator.

Marque sua consulta presencial ou a distância com o Prof. João Carlos Magalhães.
Informações:
Cel. e Whats: (51)99650-9338
www.biomagnetismo.com.br